Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
  A Segurança e Higiene Alimentar surge actualmente como uma das principais preocupações da sociedade. A preocupação do consumidor com os alimentos que ingere e o receio de que estes não sejam seguros para a saúde humana, demonstram a necessidade de criação de uma relação de confiança e transparência na área dos alimentos.
Tendo presente a protecção da saúde pública, os interesses dos vários operadores da cadeia alimentar e os interesses dos consumidores, é de primordial importância despertar para uma verdadeira cultura de informação e de formação, através da abordagem clara e participativa sobre os alimentos e as questões de Segurança e Higiene Alimentar.
Ao aumentarem a satisfação e fidelização dos seus clientes, além de lhes permitir o cumprimento de exigências legais, o Sistema de Segurança e Higiene Alimentar baseado na metodologia do HACCP passou a ser não só uma obrigação legal mas igualmente uma componente essencial para a afirmação no mercado e diferenciação das empresas, permitindo obter produtos com elevada segurança através da identificação dos perigos associados ao seu manuseamento e das medidas adequadas ao seu controlo.
A implementação do Sistema HACCP traz inúmeras vantagens competitivas para a empresa/estabelecimento consolidando a sua imagem no mercado, permitindo a fidelização dos actuais clientes e conquista de novos clientes e mercados, e contribui ainda para a resolução ou melhoria de áreas críticas do processo o que reduz as perdas resultantes do retorno ou reciclagem de produtos, inutilização, entre outros, podendo traduzir-se em elevados benefícios económicos.
  Definição de Haccp

O HACCP (hazard analysis and critical control point – análise de perigos e pontos críticos de controlo) é um sistema de segurança alimentar concebido para prevenir, ou minimizar, os riscos alimentares, através da identificação de perigos e da probabilidade da sua ocorrência em todas as etapas da produção / confecção de alimentos e/ou produtos / serviços complementares ao ramo alimentar.

O HACCP é implementado em várias áreas de actividade do sector alimentar, tais como:
> Indústrias Alimentares;
> Empresas de Catering;
> Cafés e Restaurantes;
> Padarias e Pastelarias;
> Talhos e Peixarias;
> Hotéis;
> Transportadoras Alimentares;
> Retalhistas e Armazenistas de Produtos Alimentares;
> Indústrias de Recipientes e Embalagens para Produtos Alimentares;
> Empresas cujas actividades ou produtos impliquem o contacto com Produtos Alimentares.
 
 
 
         
Obrigatoriedade
O Regulamento (CE) 852/2004, de 29 de Abril, decreta que a partir de Janeiro de 2006, todas as actividades relacionadas com o ramo alimentar implementem um Sistema de Segurança Alimentar, aplicando os princípios do HACCP.

Os Princípios do HACCP
O haccp é um método baseado na aplicação de sete princípios técnicos e científicos que tem por finalidade garantir a inocuidade dos alimentos.
Os princípios do sistema de HACCP são:
- identificar os perigos e estimar os riscos;
- identificar os pontos onde o controlo é crítico para manter a inocuidade dos alimentos (pcc`s);
- estabelecer os limites críticos para cada pcc;
- estabelecer procedimentos para a monitorização dos pcc`s;
- estabelecer medidas correctivas a aplicar quando a vigilância indica que não se satisfazem os critérios de controlo;
- estabelecer procedimentos para verificar o correcto funcionamento do sistema;
- manter um sistema de registos e documentação sobre todo o sistema;
  Os benefícios
Os benefícios da implementação do sistema HACCP são relevantes para quem produz, elabora, comercializa ou transporta alimentos, com uma redução das reclamações, devoluções, reprocessos e rejeições.

Destacam-se alguns benefícios, tais como:
> Aumento da confiança dos clientes;
> Garantia de cumprimento da legislação alimentar;
> Fácil integração com outros sistemas de gestão (ex. Com sistemas de gestão da qualidade – iso 9001);
> Definição de estratégias de prevenção, contra perigos que possam ocorrer em pontos específicos da cadeia alimentar;
> Redução dos custos da não qualidade;
> Redução do risco de colocação no mercado de produtos nocivos para a saúde pública;
> Pode ser usado como prova de defesa contra acções legais.